RainhadeEspadas.

Não pára.

Quando os primeiros raios do dia tocaram minha pele morena, eu tive vontade de fazer voltar. Fazer voltar as noites e os dias e viver de novo aqueles momentos em que a única coisa que tocava minha pele era tua mão e a certeza de que eu era feliz era inexplicável. Mas não volta, nem ao menos pára. Aquele cara que soube viver a vida intensamente e exagerado é que estava certo: “não pára não, não pára.” E eu começo a perceber que, nessa louca vida, cada minuto precisa ser desfrutado e vivido e sentido olhando sempre pra frente. Pois assim, passos mais certeiros podem ser dados e o futuro, mesmo que muitas vezes repetindo o passado, pode se alcançado. E “dias sim, dias não, eu vou sobrevivendo sem um arranhão”.

Saudações.

RainhadeEspadas.

Não, não.

Não, não está nada bem. Estou cansada. Malhação alguma me preparou pra força que eu tenho que fazer nessa luta sem fim.

Não, nada está bem. E só vai estar quando finalmente eu conseguir fazer parar esse tic-tac sem fim que descompassa com o tum-tum do meu peito e eu seja apenas suspiros, sorrisos, vontades. Me basta.

Saudações!