Atualização…

Durante muito tempo andei por aí com a vida atualizada e a identidade vencida, alimentando novos sonhos com velhas inseguranças, seguindo em frente olhando pra trás, correndo o risco de tropeçar em antigos paradigmas, ansiedades arcaicas, medos obsoletos; sem me olhar no espelho e perceber que mereço novo passaporte, alegrias inéditas, rumos exclusivos. Me alimentei de nostalgias como se o tempo bom fosse aquele que ficou lá atrás. Isso não pode funcionar. Nunca funciona. 

A verdade é que nos apegamos “à nossa história” como se contar nossa ladainha todos os dias fosse poético ou sublime. E o fato é que “nossa história” só existe no hoje, no aqui e agora, que construímos com o que somos nunca o que fomos. Precisamos parar de sofrer com dores que já expiraram, com traumas que não nos definem mais, referências ancestrais que há muito não fazem parte de nosso currículo. Não dá para continuar acreditando naquilo que de alguma forma nos fizeram acreditar. Em rótulos estampados em nossa baixa estima que nos conduzem por caminhos de depreciação e amargura. Fuja de gente que adora lhe chamar por antigos apelidos, aqueles pejorativos que você concordava em usar só para não desagradar a galera, só para se “enturmar”. Você não é mais aquele que namorou fulana, a que partiu seu coração. Exija respeito dos “amigos” que adoram te lembrar amores vencidos, casos perdidos, pessoas que passaram passaram, não permaneceram.

Atualize sua identidade e não permita recaídas. Confie no cara atrás do espelho, na vida dentro de casa, no número que aparece na chamada do seu celular todos os dias ou pelo menos toda semana. Se livre de contratos antigos, de “parcerias” que só existem em sua memória afetiva, de sentimentos que não lhe permitem evoluir. A gente se acostuma com o personagem. E leva muito tempo investindo em máscaras que já não nos representam plenamente. Pra quê? 
Por falta de assunto, a gente inventa que está gorda pra falar de dieta com as amigas; reclama da relação pra se sentir parte do grupo de insatisfeitos; ri junto com os amigos que insistem em te ver de forma estereotipada; coleciona justificativas, baseadas em “traumas de infância”, quando na verdade há pouca habilidade de lidar com o presente.
E pergunto: até quando? Tem horas que é necessário estabelecer limites. Ser conhecedor de si mesmo e detentor de suas verdades. A vida segue, o tempo traz novos ares. Você muda quem sabe pra melhor e vai continuar fingindo que ainda é aquele que se escondia do mundo?
Desconecte-se daquilo que não lhe traz alegria, renove seus votos com o presente e cultive seus canteiros com flores recém colhidas, sem ervas daninhas…
Não supervalorize o passado, sua “história”, seus traumas, sua dor de cotovelo. Todo mundo tem feridas, todo mundo leva tombos, cada um sabe o que traz na bagagem. Tenha sim coragem de valorizar seus milagres, aquilo que é real e palpável, o terreno onde pisa, as mãos entrelaçadas às suas. 
E acredite: Só assim é possível seguir em frente, com passaporte novo, com a identidade atualizada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s